Rise of the Republic

Com doze dias até o lançamento em 9 de agosto, a Creative Assembly divulgou nesta sexta-feira (27) um vídeo mais aprofundado do que Rise of the Republic, o novo pacote de campanha para Total War: Rome II trará para as suas nove facções.

Como em outros pacotes de campanha, as facções – mesmo que já estejam no jogo base – trazem algumas diferenças em relação a composição de unidades e habilidades especiais. Siracusa, por exemplo, tem capacidade de contratar mais mercenários devido a sua relação positiva com as facções minoritárias da região, além de poder enviar expedições para colonizar regiões. Já os Sênones podem usar druidas para “prever o futuro”, mas não podem dominar cidades na região da Itália.

No lado da diplomacia, os Ínsubres contam com eventos especiais que aumentam a relação tanto com as facções majoritárias como minoritárias da campanha.

O carro-chefe, Roma, tem um sistema de eleições que permite ao jogador invocar cônsules ou um ditador por uma quantidade específica de turnos. Já a cidade de Roma tem um diferencial na campanha: para dominá-la é preciso vencer duas batalhas separadas.

O que, ao meu ver, é um dos mais interessantes, são os Samnitas que ao invés de serem capazes de alterar o tipo de governo, usam o ritual Ver Sacrum para “invocar” soldados e possuem bônus em todos os tipos de terreno. Além disso, são a facção com a maior quantidade de recursos naturais nas proximidades.

Detalhes sobre Siracusa, Sardínia e Vénetos também são apresentados no vídeo. Rise of the Republic aparenta almejar mais do que um mero “conteúdo extra” e fazer bastante uso do sistema de eventos que vem junto do Ancestral Update. Por favor, que não seja outro Empire Divided.

Vídeo mostra as facções de Rise of the Republic para Total War: Rome II

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.