Broken Lines

Prometa-me um sistema de turnos simultâneos e eu já ficarei atento para o seu jogo. Broken Lines, da Porta Play e previsto para o primeiro trimestre no PC e Switch. Vai além disso, ele une movimentação em tempo real com um sistema de turnos simultâneo.

Contando a trama de paraquedistas que são enviados para trás das linhas inimigas, eu demorei um tempo para entender o conceito por trás das mecânicas oferecidas pelo jogo. Resumindo-as da melhor maneira possível, o jogo tem duas etapas: a movimentação livre que acontece quando você está em segurança e o modo de planejamento ao avistar um inimigo ou outro tipo de ameaça.

Assim que você entra no modo de planejamento, você tem a oportunidade de posicionar as suas unidades, depois disso tanto elas quanto as unidades do inimigo efetuam as suas ações simultaneamente. Não é um sistema Real Time With Pause (RTWP) mas também não torna o início da partida algo entediante, como é o caso de jogos como Combat Mission ou missões em locais mais vastos como é visto em Frozen Synapse e Frozen Synapse 2.

Até onde me lembre, essa é a primeira vez que vejo um sistema desses (corrijam-me se estiver errado), e isso gera uma empolgação e preocupação. Há uma grande dependência da IA fazer as ações como você imagina e Broken Lines não deixa por exemplo, que você defina alvos prioritários – isso é feito pelos seus soldados. Una isto com um sistema de friendly fire e você pode virar um desastre.

Torço para que não seja o caso, pois Broken Lines é uma das grandes promessas para o começo desse ano.

Vídeo sobre a história:

Detalhes sobre o sistema de combate:

Informações sobre como o sistema de movimentação funciona:

Vídeo de Broken Lines mostra história e um intrigante sistema de turnos

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.