Valheim

Primeiro eu não acreditei que estava dando espaço aqui no site para um jogo de sobrevivência. Agora, quase duas semanas após o início do acesso antecipado e Valheim passa de dois milhões de cópias e está prestes a se tornar um dos meus “survivals” favoritos.

O numero por si só já é impressionante tendo em vista o quão pequena é a Iron Gate Studio — composta por cinco desenvolvedores —, mas para mim o mais marcante é como Valheim consegue pegar um gênero que para mim estava “estagnado” e revigorá-lo com algumas melhorias pontuais.

Além da estética que já me atrai bastante, Valheim corta um bocado daquele sistema insuportável de crafting e reparo de itens. Você pode reparar qualquer item se você tiver um workbench. O sistema de crafting é linear mas complexo o suficiente para você entender o que priorizar e quando priorizar.

Eu estou no meu 20º dia de partida, algo bem mediano em relação ao restante da comunidade que já fez umas construções absurdas. Minha desculpa é que eu estou jogando solo ao invés de em um servidor ou com amigos. E, mesmo no modo solo, Valheim consegue ser encantador e desafiador.

Aliás, eu estava poucos minutos antes da publicação desta nota tentando traçar um projeto de uma segunda cabana – mais ampla e com recursos mais abundantes – e preparar toda a logística de transportar o material sem morrer dez vezes na jornada. Acredite, alguns monstros de Valheim não vão te dar trégua caso você “invada” o território deles.

Então, já deixo aqui a minha grande recomendação se você, como eu, estava enjoado de jogos de sobrevivência e achou que Valheim não valeria a pena. Mesmo em acesso antecipado ele já vale e muito.

Por falar em acesso antecipado, a desenvolvedora publicou recentemente um roadmap com as principais atualizações que virão ainda este ano. Veja-o abaixo:

Valheim

Valheim passa de 2 milhões de cópias vendidas

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.