The Last Spell

Em nota, a Arcade Crew e a desenvolvedora Ishtar Game confirmaram que – após muito tempo em desenvolvimento – o RPG com elementos de tower defense e estratégia em turnos “The Last Spell” estará disponível via Steam Early Access em 3 de junho por US$19,99. Preço no Brasil ainda não foi definido.

Quando ouvi falar pela primeira vez sobre “The Last Spell” eu pensei “Ah não, mais um They are Billions mas em turnos”. Eu estava um tanto quanto enganado. O vídeo abaixo demonstra um jogo não só mais complexo, mas também com mais variedade.

Todo início de partida começa com três personagens gerados aleatoriamente. Você deve os colocar na direção da horda de monstros que está à caminho do objetivo – uma “pedra mágica” ou algo do tipo. A horda de inimigos move em um certo padrão semi-definido, ou seja, fica mais “fácil” para você decifrar quando e onde atacar.

Mas é só depois da primeira grande batalha que você pode começar a produzir defesas e outras melhorias para a sua cidade – o que já diferencia “The Last Spell” de “They Are Billions”. O mesmo vale por exemplo, para trabalhadores e melhorias nas edificações, que só são liberadas de acordo com o quanto você avança na partida e o grau de “pânico” na cidade. Ou seja, uma cidade destruída vai gerar menos dinheiro e obviamente menos trabalhadores.

O vídeo também mostra todo um sistema de melhoria para armas, perks equipamentos dos seus heróis, que de uma forma ou outra vão acabar na linha de frente.

A versão de acesso antecipado de “The Last Spell” contará com os primeiros 12 dias de jogo e uma luta contra um chefão. Todas as mecânicas listadas no vídeo estarão presentes assim como modificadores de dificuldade e outros tipos de “bônus” para os inimigos.

Devo dizer que “The Last Spell” me convenceu a jogá-lo. Agora resta saber quantos dias eu vou sobreviver antes de jogar a toalha. Espere impressões nossas assim que possível.

RPG “The Last Spell” entra em Early Access dia 3 de junho

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.