Sea of Solitude

Se você leu a minha matéria sobre GRIS, sabe que eu tenho uma certa sintonia com jogos que lidam com questões de solidão. Eu tenho um profundo interesse em ver como uma desenvolvedora estabelece esses diálogos, linhas de pensamento e como elas se intercalam com as mecânicas do jogo em si. Não é a toa, portanto, que Sea of Solitude – lançado nesta sexta-feira (5) para PC, Playstation 4 e Xbox One – está na minha lista de interesse.

Apresentado pela primeira vez durante a E3 2018 e parte do selo EA Originals, o jogo conta a história de Kay – uma mulher que viaja por um mundo que, de acordo com a desenvolvedora Jo-Mei Games, foi transformado pela solidão – em busca de superar a sua própria solidão.

O que me intriga mais no jogo é como a Jo-Mei vai unir a noção de explorar a cidade com o uso de um barco e a noção de solidão. Barcos por si já podem se tornarem locais solitários – métodos de transporte cujas tripulações podem ficar dias, até semanas sem um contato direto com a sociedade. A meu ver, um método bem direto e ao mesmo tempo dinâmico transpor a ideia de solidão, mas só jogando descobrirei.

Veja o trailer de lançamento abaixo:

Sea of Solitude já está disponível no PC, Xbox One e PS4

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.