Como alguém que busca enlouquecer acompanhar todos os lançamentos de RPGs para PC, eu já tenho bastante intimidade com Spire of Sorcery, na verdade eu tenho intimidade até demais. Afinal, apesar de entrar em acesso antecipado nesta quinta-feira (21), ele já podia ser comprado por um “acesso limitado” desde meados de 2019.

Desde então o RPG em turnos tomou as mais diversas formas. Por um tempo ele foi um RPG seguindo o caminho mais tradicional com um “mapa mundi”, depois ele virou um jogo de estratégia com elementos de RPG e atualmente é um misto de narrativa, exploração e um dos sistemas de combate mais interessantes que eu vi em um bom tempo.

A melhor maneira de descrevê-lo é pensar que cada personagem com o qual você joga possui um certo tipo de magia ou ataque. Ao invés de determiná-los pelo simples “clicar” na ação, você deve combinar certos símbolos para que o ataque seja realizado. Caso não tenha os símbolos na mão, você pode rolar os dados e tentar obter a combinação necessária, mas isso culmina em uma penalidade para a moral do personagem.

Eu não preciso dizer que sobreviver em Spire of Sorcery é extremamente difícil e que o combate deve ser usado em última instância, correto? Felizmente o jogo já tem mais do que conteúdo o suficiente em forma de história para compensar qualquer combate.

A versão de acesso antecipado será lançada com três capítulos contendo quests aleatórias e um sistema de metaprogressão onde você pode obter novos personagens e itens de acordo com que tipo de quest foi completada.

Sim, você leu certo, Spire of Sorcery tem elementos de roguelike, mas ele são em boa parte secundários e mais voltados para os capítulos avançados do que uma maneira drástica de “estender conteúdo”. Sei que não vai cair no gosto de todos – como todo RPG – mas se você gosta de narrativa e não tem medo de apanhar no combate, Spire of Sorcery é uma recomendação gigante da minha parte.

RPG “Spire of Sorcery” entra em Early Access dia 21

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.