Análise – Might & Magic X

Famosos na década de 90, Might & Magic X é um dos primeiros dungeon crawlers em primeira pessoa para PC a ser lançado em muitos anos desde que o gênero sumiu do mapa. Felizmente, ele continua tão bom quanto.

História em si é praticamente inexistente. O jogador recebe uma perspectiva geral do que acontece, mas nunca passa disso. As quests se resumem basicamente a “vá a tal lugar e mate um chefão”. Mas, assim como os outros games da franquia, isso nunca foi seu ponto forte.

A diversão mesmo está no gameplay, que novamente foi feito com maestria. O combate é realizado por turnos. Como em todo bom RPG, a ordem dos ataques é baseada na iniciativa de seus personagens.

Ao contrário de outro recente lançamento, Legends of Grimrock, a Ubisoft deu um foco a mais no combate. Em Grimrock era muito fácil flanquear seus inimigos e tornar o combate completamente idiota.

Além disso, temos todos os sistemas que são esperados em um RPG, desenvolvimento de personagem, itens, habilidades, magias e por aí vai.

Por se tratar de um game que se apoia em mecânicas de jogo mais clássicas, não existe aquele personagem faz-tudo. Cada classe tem uma função, sendo necessária uma party bem equilibrada para avançar na trama. É possível escolher um grupo já pré-formado ou criar o seu próprio de acordo com o seu gosto.

Might & Magic X

No meu caso, achei melhor escolher um grupo pré-formado dado a quantidade grande de magias e habilidades que estavam disponíveis. Foi o melhor a se fazer sinceramente, já que mesmo com eles eu penei o suficiente para terminar o game.

Um dos pontos positivos está na variedade de cenários. Você explorará cavernas, faróis, templos, florestas, barcos e por aí vai. Em momento algum durante os 4 atos sentimos que víamos “mais do mesmo”, sempre havia algo novo para conhecermos.

No futuro, Might & Magic X receberá novas dungeons e conteúdo de DLC. Além disso, ele também conta com suporte a mods, o que deve aumentar ainda mais sua longevidade. Não seria pedir muito para vermos remakes feitos pela comunidade de outros jogos da série com gráficos atualizados.

O único problema com a jogabilidade encontrado tem relação com o sistema de experiência. Quando você mata um monstro, ele está morto para sempre. Você não pode retornar a uma área na esperança de ganhar mais experiência.

O problema disso é que quando um de seus personagens morre, ele não ganha o XP de uma batalha. Isso infelizmente ocorre comumente nos chefões.

Might & Magic X

Durante nosso tempo com o jogo, não chegamos a ficar impossibilitados de avançar na história pois nossos heróis estavam muito fracos, porém, é possível que isso aconteça. Ainda mais quando se trata de novatos em jogos do gênero, o que pode fazer com que percam mais de 15 horas de jogo à toa.

No aspecto técnico, Might & Magic X sofre de alguns problemas no desempenho quando se está fora de cidades e calabouços. Até mesmo em computadores potentes, algumas telas de carregamento e cenários dão uma leve travada quando os heróis se movimentam.

Might & Magic X

Isso não chega a prejudicar a experiência no geral, porém incomoda, ainda mais que estamos acostumados a ver títulos de PC com menos problemas desse tipo. Sua trilha sonora faz jus a franquia, mas não chega aos pés de clássicos como Might & Magic VI, que ficou marcada na mente de muitos veteranos de RPG.

Em comparação com os RPGs mais modernos, Might & Magic X é um título difícil de se entender como jogar, podendo afastar o pessoal mais novo. Para quem gosta de algo fora do comum hoje em dia e não se importa com uns problemas técnicos, vai fundo e divirta-se.

A análise foi feita com base em uma cópia enviada pela Ubisoft

Análise – Might & Magic X

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.