Análise – Crusader Kings II: Charlemagne

Desde que comecei a jogar títulos da Paradox, com Hearts of Iron 2, aprende-los sempre foi um problema constante. Mecânicas demais, muitos detalhes que podem passar despercebidos e frustração generalizada. Crusader Kings II vem constantemente em busca de melhorar a experiência para o jogador e Crusader Kings II: Charlemagne é mais uma prova disso. Ele foi lançado em 14 de outubro e se encontra a venda no Steam por R$ 27,99.

A expansão se foca em expandir a duração do jogo, que agora começa a partir de 769DC e conta a história de Carlos Magno e a fundação do Sacro império Romano-Germânico, que durou de 962 a 1806.

Como apontado em outras reviews, a Paradox sempre lança uma grande atualização em conjunto com a expansão. Essa, mudou algumas coisas na interface e tornou a experiência inicial mais agradavel.

Agora, é mais fácil de compreender quais são as eras que você pode iniciar a sua partida, assim como um cenário inicial para aqueles que estão começando em Crusader Kings 2. Isso é de uma ajuda imensa a novos jogadores, levando em conta que não é fácil decidir uma nação para começar e o jogador tinha de recorrer a fórums e guias.

Em conjunto, a história de Carlos Magno também é um ótimo ponto inicial. Apesar de ser jogado em um país muito maior, cheio de conflitos internos e externos que de início parecerão assustadores, os eventos contidos ao longo dos anos são mais “lineares”.

Crusader Kings II: Charlemagne

Enquanto em outras nações você tem uma quantidade grande de eventos que ocorrem ao longo dos anos, em Charlemagne é algo mais intimista, você se sente mais conectado com a história e consequentemente aprende mais.

Charlemagne não é apenas mudanças nos eventos ou um pouco mais de história, novas mecânicas foram adicionadas. Agora é possível criar seu próprio reino ou império sem precisar ser obtidas legalmente. A partir do momento que obter terra suficiente, ter pré-requisitos como prestígio e dinheiro, você pode montar o seu pequeno (ou grande) reino.

Claro que existem limitações, como as terras não serem ganhas legitimamente por você por 100 anos e outras peculiaridades.

As nações tribais do período receberam melhorias por meio de uma atualização gratuita. Agora as propriedades tribais possuem características próprias e suas peculiaridades. Um ponto também muito importante para mim, que sentia que tais nações não eram bem exploradas.

Crusader Kings II: Charlemagne

Outra mudança trazida pela atualização que veio junto com Crusader Kings II: Charlemagne foi a ligação entre o limite de vassalos e as leis que estão em vigor no seu reino.

Agora existe não só mais uma camada de estratégia como também todo um processo para saber qual o melhor momento de expandir. Quem tem reinos enormes, porém, sofrerá um pouco. Crusader Kings II nunca foi um jogo onde o jogador deve se focar a conquistar o máximo de território.

Ao completar a sua partida, Crusader Kings II: Charlemagne agora mostra uma cronica de sua dinastia, seus feitos, quais territórios conquistou, quase que como uma linha do tempo. É uma ferramenta ótima para aqueles que gostam de fazer AAR (After-Action-Reports) ou se sentir melhor inserido dentro da narrativa do game.

Vi alguns problemas de instabilidade, mas não consegui determinar se o problema é na minha máquina ou no DLC em si. Os últimos DLCs da Paradox tem saido sim com algumas instabilidades, mas são rapidamente corrigidas.

A pergunta que resta é, Crusader Kings II: Charlemagne vale a pena? Se você quer mais tempo de jogo, sim, com certeza.

Mais uma vez a Paradox consegue não prender funcionalidades interessantes atrás de uma barreira de pagamento. Independentemente de você comprá-lo ou não, ainda receberá um conteúdo que vale muito a pena dar uma olhada.

Reviver a história de Carlos Magno é interessantíssimo e me vejo aproveitando o conteúdo dessa expansão bastante nos próximos meses. Você pode comprar o Crusader Kings II: Charlemagne tanto no Steam como na loja da Paradox.

A análise foi feita com base em uma cópia enviada pela Paradox

Análise – Crusader Kings II: Charlemagne

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.