Necronator

Incrível como a diferença entre uma versão de acesso antecipado que era atualizada quase semanalmente e uma versão 1.0 fazem. Estou jogando Necronator: Dead Wrong – que teve seu lançamento oficial nesta quinta-feira (30) e com tradução para português do Brasil – faz meses e meia dúzia de ajustes o tornaram ainda melhor.

Desenvolvido pela equipe Indonésia da Toge Productions (Coffee Talk) e publicado pela Modern Wolf, o jogo de estratégia em tempo real pode ser melhor descrito como um “Tower Defense invertido”. Em uma campanha gerada proceduralmente, você tem de conquistar as torres dos inimigos com exércitos e destruir o castelo principal. A atualização para aqueles que já tinham o game traz 87 novas cartas, 34 relíquias, 3 novos comandantes inimigos, 27 unidades inimigas e 185 novos mapas de batalha.

Do que eu joguei da nova versão, os novos mapas de batalha foi o que fizeram a maior diferença. Antes o primeiro setor tinha muitos momentos onde você tinha de defender o seu castelo ao invés de atacar o do inimigo. É uma mudança de táticas bem gritante, mas que não se encaixava muito bem por conta que o seu deck de cartas era bem “fraco”. Agora a maioria desses mapas foram movidos para áreas mais avançadas e assim melhorando a curva de aprendizado.

Ainda assim eu recomendo, e muito, que aqueles que planejam comprá-lo no Steam deem uma olhada na lista de cartas disponíveis para cada comandante e como as sinergias das mesmas funciona. É muito fácil achar que Necronator trata-se apenas de enviar mais e mais inimigos para destruir tudo pela frente; pelo contrário, saiba quando e como guardar mana para enviar um exército competente e você vai avançar mais rápido do que imagina na campanha.

Agora me resta liberar as últimas cartas que faltam e aproveitar o editor de mods e as possíveis campanhas criadas pela comunidade. Quem sabe não dou uma arriscada em montar uma e compartilhar com vocês?

Modern Wolf lança Necronator: Dead Wrong

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.