Fort Triumph

A CookieByte Entertainment descreve Fort Triumph como uma união entre XCOM e Heroes of Might and Magic. Da minha experiência com a versão de acesso antecipado, o descreveria como puzzle + XCOM + Blood Bowl, que é tão interessante quanto. Confirmado para sair oficialmente em 16 de abril, a versão 1.0 terá três atos, quatro classes e um modo de batalha. Versão para consoles também foi confirmada para este ano.

Chamo-o de XCOM com Blood Bowl devido a mecânica, ou talvez insistência, da CookieByte em usar sistemas que priorizam você empurrar elementos ou personagens pelo mapa do que o confronto direto. Não digo que não é interessante, só é um tanto cansativo.

Por exemplo, se você tem um paladino na sua equipe, é muito mais útil ele atuar como uma linha de frente e empurrar um goblin contra uma árvore ou pedra do que usar uma magia ou até mesmo o tradicional “overwatch” tão popularizado por XCOM da Firaxis.

Fora isso você tem a sua tradicional campanha gerada proceduralmente, eventos – que é o que dá o “sabor ao jogo” –, e uma grande ênfase no uso de equipamentos com diferentes propriedades. Creio que a maioria vá ficar interessada ou até fisgada por Fort Triumph por conta desses dois elementos. Minha sorte de ter tanta coisa para jogar e cobrir foi ter resistido a essa tentação. Veremos se o mesmo se repete em 16 de abril.

Inspirado em XCOM, Fort Triumph sai 16 de abril

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.