Mary Skelter Finale

Tem dias que eu penso que a Idea Factory odeia dinheiro, outros eu penso que ela realmente odeia dinheiro e tem uma equipe pequena demais para trazer todos os seus jogos para o PC. É uma tremenda decepção ver Mary Skelter Finale sair para Switch e PlayStation 4 enquanto o PC só tem o primeiro jogo. E, pelo visto, ele vai fechar a franquia de dungeon crawler com chave de ouro.

Para quem não conhece a franquia iniciada em 2018, Mary Skelter é um dungeon crawler ainda bastante enraizado no estilo “wizard japonês” mas com suas peculiaridades. Essas sendo o humor e um pouco de violência exacerbada – algo que é até típico nos jogos da Idea Factory. O terceiro jogo da série, por exemplo, trará um novo sistema de transfusão de sangue para transferir poderes entre os personagens.

Ele anda de mão dada com a evolução do sistema de jobs que surgiu em Mary Skelter 2. O jogo é dividido em 4 classes primárias com duas subclasses cada. Lutadoras podem ser paladinas ou “destruidoras”. Magas podem ser conselheiras ou bruxas de sangue, e por aí vai. Alguns dos jobs estão ligados as protagonistas da série, mas ao menos agora algumas habilidades poderão ser aplicadas em múltiplos jobs pelo sistema de personalização.

O maior problema do primeiro Mary Skelter era o grau de dificuldade e o tamanho das dungeons. Embora eu não tenha jogado, a versão de Switch de Mary Skelter 2 – que inclui o original – deu uma reduzida no  tamanho das dungeons e as tornou mais dinâmicas.

Sei muito bem que a maioria de vocês vai olhar para a arte do jogo e dizer “não é para mim”, mas eu realmente gosto da franquia e eu espero que a Idea Factory use esses novos sistemas para agregar um ponto extra na complexidade ao invés de se debruçar demais no aspecto “visual novel” que é comum da empresa.

Mary Skelter Finale sai em 30 de setembro no Switch e PlayStation 4 por US$49,99.

IFI detalha novas mecânicas do RPG “Mary Skelter Finale”

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.