Fights in Tight Spaces

Em um dos primeiros artigos que escrevi em 2021, apontei que “A não ser que algo realmente revolucionário aparecesse na esfera de Deckbuilders”, que Fights in Tight Spaces seria um dos meus favoritos do ano. Com a versão 1.0 publicada em 2 de dezembro (Steam / GOG / Xbox), eu mantenho a minha opinião.

Embora ele tenha menos “diversidade” na hora de montar um deck do que se vê de costume no no gênero, a Ground Shatter compensa com um excelentíssimo sistema de posicionamento, e uma boa variedade de decks.

Em suma você é um “agente” que deve – ao longo de missões geradas proceduralmente – deve proteger VIPs, escapar de emboscadas ou eliminar chefões do crime. Toda a estética e o estilo de combate é bem inspirado em filmes de ação, o que dá um certo ar de “leveza” para a proposta de Fights in Tight Spaces.

Do pouco o que eu joguei da versão 1.0, o que mais me chamou atenção é o quanto a Ground Shatter melhorou o sistema de posicionamento com a adição de novos tipos de inimigos. Decks que antes eram “inúteis” ou muito situacionais agora são mais viáveis.

Se algo, Fights in Tight Spaces é uma grande recomendação minha para quem gosta de jogos em turnos, mas detesta a ideia de card games ou deckbuilders. É um ótimo misto do melhor dos dois mundos e, com a inclusão de desafios diários, não me vejo largando de lado tão cedo.

Veja o trailer de lançamento de Fights in Tight Spaces abaixo:

Deckbuilder “Fights in Tight Spaces” é oficialmente lançado no PC e Xbox

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.