stationflow

Quantos jogos sobre construir estações de metrô têm por aí? Lembro-me de OverCrowd e Train Station Simulator. Nenhum deles, no entanto, tenta atingir o nível de insanidade que é STATIONFlow – disponível em acesso antecipado e previsto para sair em 15 de abril.

Desenvolvido por Szabó Marcell e supervisionado por Tak Fuji (Sim, aquele Tak Fuji, daquela conferência da Konami e de Ninety Nine Nights II), ele se foca menos em ter belos visuais e mais em tentar controlar o caos que é o cotidiano de uma estação de metrô.

Para isso ele abandona um sistema de grids — tão comum no gênero “gerenciamento” — em favor de construção livres e múltiplas camadas de construção. Sua estação pode ter quatro níveis e ser uma zona de se navegar, mas se os passageiros conseguem chegar ao seu destino, então ela é funcional.

Funcional não significa otimizada, e essa é toda a ideia por trás das fases: faça uma construção base, otimize-a, coloque quiosques e lide com a demanda. Os gráficos simplistas me atraem do mesmo jeito que Mini-metro e seu minimalismo escondem o caos que é unir todas as estações sem emperrar o “trânsito”. Sinto que vou gostar e ao mesmo tempo me estressar muito com STATIONFlow.

“Construtor” de estação de metrô STATIONflow sai 15 de abril

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.