Análise – Sébastien Loeb Rally EVO

“Right six long, to right four straight, to finish”. Se você nunca ouviu essas palavras, provavelmente nunca jogou um jogo de Rally. A eletrizante combinação entre decisões de milésimos de segundo e uma pista desconhecida. Sébastien Loeb Rally EVO traz tudo isso para um público mais casual. Ele está disponível para PlayStation 4, Xbox One e PC a partir de R$ 99,99.

Antes de mais nada, é importante salientar que ele não é um simulador ou sequer um semi-simulador, como Dirt Rally, é um jogo quase que unicamente arcade, mas com algumas características que me agradam mais do que imaginei.

A minha primeira tentativa de jogá-lo foi um tanto quanto desapontadora. Após uns bons minutos montando meu volante G27, a quantidade de opções de ajuste do force feedback, giro de volante e etc eram pífias. Controlar o carro era mais um exercício de descobrir o que o volante queria me informar do que o que estava na tela. Ou seja, batidas em árvores, carros sem controle algum e uns momentos desastrosos. Quando decidi voltar para o controle, ah, agora sim a experiência ficou menos dolorosa.

Mas não pense que apenas por dizer que é arcade, que Sébastien Loeb Rally EVO é fácil de dominar. Para quem é novo no universo as pistas serão touros gigantes à espera de serem 17domados. Você pode escolher entre um mapa da pista ou pacenotes em 2D e 3D.

Estas, que não são nada mais do que informações ditas pelo seu co-piloto com informações sobre cada curva. Se você quer uma autêntica experiência de Rally, é a melhor maneira de se jogar, mas pode ser um pouco demais para iniciantes. O jogo te enfia tanta informação goela abaixo nos primeiros minutos que pode se sentir um pouco perdido.

Sébastien Loeb Rally EVO

Parte do problema vem do próprio jogo, que muitas vezes dita as pacenotes muito em cima da curva, que te dá uma janela de reação menor ainda do que está acostumado. Nem eu que gastei horas em DiRT Rally e já estava acostumado com o ritmo de certas corridas conseguia acompanhar meu co-piloto.

Agora, quando o assunto é conteúdo eu não tenho do que reclamar em Sébastien Loeb Rally EVO. O modo carreira dele não é apenas até certo ponto agradável — entraremos em instante nesse aspecto — como também um dos mais completos já feitos pela Milestone, que trabalhou anteriormente em WRC 1,2,3. Inúmeras pistas, modos de corrida e carros a serem desbloqueados.

Sébastien Loeb Rally EVO está longe de ser um dos jogos mais bonitos dessa geração, ou de qualquer para ser bem sincero. Mesmo assim, as pistas conseguem ter em parte uma identidade própria. Inclusive uma das minhas favoritas, o famoso HillClimb de Pikes Peak está fantástico esteticamente falando.

Claro, que como quase todo jogo de corrida ainda existe aquele pequeno grind. Quer o melhor carro? Então boa sorte estando em primeiro lugar em boa parte das corridas. Por outro lado, nunca me senti obrigado a ter de repetir constantemente uma corrida, motivo principal de detestar tantos jogos de corrida hoje em dia. O que me leva a outro ponto, sabe a inteligência artificial? Pois bem, ela tem dois modos, praticamente inexistente ou tão absurdamente impossível que desmotiva.

Na dificuldade média, era capaz de colocar 20 segundos de vantagem em corridas de rally tradicionais, enquanto em eventos de RallyCross eu sequer me esforçava para ganhar. Agora quando colocado no difícil, os carros viravam mais aquelas espaçonaves do F-Zero do que qualquer outra coisa. A diferença era absurda, eles seguiam um caminho padrão nas pistas de RallyCross sem um inúmero erro. Eu entendo que uma IA desafiadora e ao mesmo tempo realista é um balanço difícil para muitas desenvolvedoras, mas a Milestone errou feio nessa.

A mesma crítica pode ser aplicada para os carros, comprados com créditos ganhos em cada partida. De que importa o aumento na potência de um Ford Focus se com um Mini Cooper eu fazia praticamente os mesmos tempos? Nem mesmo o controle que tinha sobre eles no asfalto, cascalho ou qualquer que fosse o terreno diferenciava tanto assim.

Para um jogo que no início falou tanto sobre a importância de ajustar o carro para cada corrida e os diferentes tipos de terreno, ter a mesma experiência mesmo sob circunstâncias variadas é extremamente desencorajador. Foi a partir do momento que comecei a ligar menos e menos para o modo carreira.

Sébastien Loeb Rally EVO

Por mais que as pistas sejam variadas ou desafiadoras — e de fato são — as ferramentas que ele provê ao jogador são medíocres. Salvo algumas corridas na neve, onde a visibilidade realmente era prejudicada e encontrar o caminho via pacenotes um real desafio, cada uma delas oferece uma jogabilidade extremamente similar.

Fora o modo carreira, você também pode acompanhar os passos de Sébastien Loeb no caminho para o sucesso, com pistas que ele correu recriadas e com alguns bônus a mais. Novamente os mesmos problemas do modo carreira surgiram. Os carros não possuem “alma” digamos assim, você não tem aquela sensação de que está de fato em um veículo melhor a não ser pelo contador de velocidade.

Algumas curvas que fazia, mesmo com todas as assistências desligadas, eram completamente surreais. O freio era quase instantâneo, olhava para a tela abismado com tamanha potência em um carro tão simples como um ford Fiesta. Chuva? Nem ache que isso irá influenciar na aderência dos pneus, é tudo a mesma coisa. Variação é boa quando há um motivo para, cosmeticamente em um jogo de corrida, ainda mais em um jogo de Rally, é um esforço desperdiçado.

A Milestone jogou de maneira segura com Sébastien Loeb Rally EVO e essa segurança toda, essa abrangência em um público alvo tão grande o torna um título sem alma. Não importa a qualidade das pistas, ou os créditos ganhos a cada medalha de ouro ou aquela sensação de vencer. Eu nunca me senti plenamente realizado com as corridas.

É um jogo deveras divertido para quem nunca jogou Rally, ele te segura pela mão sempre e desajeitadamente te dá uma ideia geral de como ser melhor no esporte. Mas, a partir do momento que você atinge um certo nível de habilidade, toda a experiência se dilui em um mar de mesmice que nem mesmo o próprio Sébastien Loeb consegue salvar.

A análise foi feita com base em uma cópia para PC enviada pela Milestone

Sébastien Loeb Rally EVO

Total - 6.5

6.5

Um jogo de Rally perfeito para iniciantes, mas que perde o fôlego com uma jogabilidade repetitiva e carros que não se diferenciam muito uns dos outros. Você quer molhar os pés antes de adentrar o mundo do Rally? Então é perfeito para você. Para os veteranos, há coisa melhor no mercado.

Análise – Sébastien Loeb Rally EVO

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.