Análise – PGA TOUR 2K21

Acho fantástico como nossa percepção sobre jogos muda ao longo dos anos, e nem sempre para melhor. Eu quando vejo um jogo free to play ou algum jogo de grande escopo já espero micro transações,  battle pass ou alguma forma extrema de monetização. Olhar para jogos como PGA TOUR 2K21 (Steam / Xbox One / PlayStation 4 / Nintendo Switch) me lembram que isso não deve ser a regra.

Com um novo nome para o que chamaríamos de “The Golf Club 4”, a única franquia de golfe ainda ativa no mercado me trouxe angústia quando houve a troca de nome. Uma das grandes “reputações” da 2K nessa indústria é sua especialização em monetizar seus jogos esportivos – vide o tratamento precário da franquia NBA e seu modo de carreira que merece um prêmio por ter mais grind que muito MMO que eu joguei. PGA TOUR 2K21 não vem com nada disso, ao menos não da mesma maneira agressiva que a 2K usa em NBA2K. Em contrapartida, ele é um jogo de menor “escopo” e com uma proposta bem diferente.

Modos de carreira envolventes com cinemáticas como os vistos em outros jogos da 2K, Codemasters ou Electronic Arts estão fora da cena. Um menu te joga para a criação de personagem, pergunta sobre o seu grau de conhecimento em golfe, te coloca em um tutorial, e a partir daí você pode escolher entre se aventurar no modo carreira, partidas locais ou online nas centenas de campos de golfe — oficiais ou não — disponíveis.

PGA TOUR 2K21

É fácil torcer o nariz para esse estilo “arcaico”, mas é ele que me atraiu de início para The Golf Club, e a magia se repete em PGA TOUR 2K21. Estou mais do que cansado de modos carreira bombásticos ou da necessidade de metagames como “ultimate team”. Muitas vezes prefiro jogar versões anteriores de jogos como Madden ou MLB do que aturar as “propagandas” que enfiam em cada buraco possível. Em PGA TOUR 2K21 estou eu, o campo, um desafio pela frente, e isso já me basta.

Além do que, como bem apontei no meu texto sobre F1 2020, eu não tenho uma ligação com essa história de ídolos — e isso ainda é menor no que diz respeito a Golfe. A complexidade do esporte e a maneira como a natureza pode ser cruel com a mais simples tacada é o que me motiva a jogar partida após partida. Mais uma vez a HB Studios domina este aspecto com um incrível grau de realismo sem alienar a sua comunidade. Muito pelo contrário, se algo, ela faz isso melhor em PGA TOUR 2K21 do que em qualquer outro The Golf Club.

Para os novatos em The Golf Club ou PGA TOUR 2K21, pense nele como o inverso de uma série famosa como Everybody’s Golf para PlayStation 4 ou Mario Golf para 3DS. Ao invés de você realizar a tacada com um botão, o analógico direito dita a força e a direção da tacada. Inúmeros fatores são levados em conta nesse estágio: a velocidade que você aplicou no analógico, o ângulo, a direção do vento, e qual taco você utilizou são apenas alguns deles. É muita coisa para um jogador levar em conta, ainda mais se ele nunca jogou um jogo de golfe antes.

PGA TOUR 2K21
Certos campos no modo carreira são impiedosos, ainda mais contra uma IA avançada.

Amenizando o processo descrito acima, a HB Studios provê o que eu posso descrever como um dos melhores tutoriais em um jogo de esporte que eu vi nessa geração. Além de um tutorial robusto que te leciona os principais conceitos de uma partida de golfe, da tacada inicial até o putting, ele usa dicas contextuais ao longo da partida inteira e não tem receio de apontá-las às vezes um pouco até demais quando você está fazendo algo muito arriscado ou errando muitas tacadas. Dicas contextuais é algo que jogos esportivos deveriam abraçar com mais frequência. Eu sou um péssimo jogador de FIFA ou de PES por exemplo, e os tutoriais são tão vagos e obtusos — pois as desenvolvedoras já presumem que você tenha alguma noção tática — que qualquer investimento de tempo soa como um desperdício. É algo que até a franquia Madden – por mais problemas que eu tenha com ela em especial – consegue entender e entregar com mais frequência.

Não falo isso só de um ponto de vista de quem está começando a jogar; eu mesmo tive muito problema em entender como funciona o sistema de putting em The Golf Club. Quando não era decifrar como as linhas mostradas na tela afetavam a direção da bola, era acertar a intensidade da tacada. PGA TOUR 2K21 reduziu essa curva de dificuldade com uma opção de “prévia” que pode ser usada uma vez a cada buraco para te dar uma ideia geral de onde a bola vai parar. Isso me fez pegar o jeito e o ritmo de cada putting mais rápido do que qualquer outro The Golf Club.

Ainda na temática de putting e jogabilidade no geral, PGA TOUR 2K21 resolve o que muitos descreviam como “inconsistência” no sistema de tacadas. O que era visto como algo errôneo é na verdade um conjunto de fatores que por muito tempo ficou escondido entre menus ou com uma interface que só aqueles mais fervorosos entendiam. Cada campo de golfe não tem só a sua estrutura específica, mas manutenção também. Isso resulta em fairways onde a bola tem maiores chances de quicar, greens mais firmes ou não, uma série de camadas que aqueles que já tinham inserido 30 ou mais horas em The Golf Club entendiam.

PGA TOUR 2K21
Modificadores de dificuldade são incríveis e vão te ajudar — e muito — a aprender PGA TOUR 2K21.

Ao invés de remover ou simplificar tais sistemas — como certas empresas fizeram com certos jogos de corrida — a HB studios destilou em três ícones que já apresentam como vai ser o campo de golfe que você vai jogar. Não gostou do que viu? Altere a firmeza do fairway ou do green para o seu gosto! A meu ver é uma ferramenta secundária de aprendizado, e muito mais fácil, conseguindo englobar uma maior gama de jogadores. Não hesito em dizer que usei horrores do sistema para aprender os meus campos prediletos e de pouco em pouco ir aumentando a dificuldade até que ela voltasse para o padrão da HB Studios.

Entre tutoriais robustos, um modo carreira simplista, e melhorias de jogabilidade,  você já imagina “há algo de errado em PGA TOUR 2K21? Você passou tanto tempo falando bem dele!”. Bem, sim e não. PGA TOUR 2K21, tal como todo o histórico da HB Studios em The Golf Club, tem uma estrutura muito “faça a sua própria diversão”, o que é um tanto peculiar para um jogo esportivo desse calibre.

Depois de completar o modo carreira, que já vai te deixar ocupado por umas boas horas, você tem a opção de se juntar a sociedades online (pense nela como guildas), criar seus próprios campos de golfe ou — como já citado — jogar partidas solo ou online nas dezenas de campos de golfe disponíveis, ganhando pontos de experiência para subir o nível do seu jogador, obter dinheiro extra e ter acesso a novos tipos de tacos e itens cosméticos. Isso é o maior divisor de águas da série, pois o jogo não te “incentiva” propriamente a explorar o lado mais criativo ou jogar uma partida sozinho. Sei que muitas pessoas têm essa hesitação ou relutância em encontrar motivação ou “razão” para fazer isso. Não é à toa que a maior guinada dos jogos de esporte nessa geração foi criar um modo carreira robusto e metagames. Embora prejudiciais na minha visão da evolução desses jogos, ele ao menos oferecem um grau de estrutura; um objetivo a ser alcançado.

Bota mais um na conta do pai.

Tendo um histórico de ser curioso por natureza ou explorar as coisas sem um motivo aparente, acho o formato oferecido por PGA TOUR 2K21 maravilhoso. É um dos poucos jogos esportivos que eu mantenho instalado ao longo do ano todo. Uma partidinha ali, outra acolá, às vezes vêm na cabeça a ideia de construir um campo de golfe e editá-lo (na data desse artigo eu já produzi e fiz o upload de três campos de golfe) com o editor ainda mais robusto que veio nesse ano, e o meu prazer por golfe já está mais do que saciado. Sequer menciono subir o nível do jogador pois isso chega a ser secundário, já que não existem melhorias visíveis como habilidades especiais ou um sistema “RPG” como em outros jogos de esporte aqui já mencionados — eu já estou nível 40 e só fui prestar atenção na hora de trocar a roupa do meu personagem.

Portanto, se eu tenho alguma recomendação (além de que se você tem o mínimo interesse em golfe, PGA TOUR 2K21 deve estar na sua lista de jogos o mais rápido possível) é: não tenha medo de explorar os diferentes modos, de aprender ou de falhar. Você vai falhar muitas vezes, acabar em último lugar, mas o jogo sempre vai lutar ao máximo para tentar te encontrar maneiras de te ensinar a como ser um melhor jogador. Essa — mais do que qualquer outro fator como a física melhorada — certamente seria a razão pela qual PGA TOUR 2K21 é a melhor produção da HB Studios desde a sua fundação.

Uma cópia do jogo foi fornecida pela 2K para a criação dessa análise.

PGA TOUR 2K21

Total - 9.5

9.5

Mais fácil de aprender do que nunca e com uma estrutura bem maleável para atender aos mais diferentes gostos, PGA TOUR 2K21 mantém o grau de fidelidade e realismo que eu busco em jogos de golfe sem cair nas armadilhas de outros jogos esportivos dessa geração. Apesar de faltar um incentivo “extra” para explorar os outros modos para quem é mais indeciso, é uma grande recomendação da nossa parte se você tem o mínimo interesse em golfe.

Análise – PGA TOUR 2K21

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.