Análise – Legends of Eisenwald

“Você é o escolhido e agora terá de derrotar as forças do mal salvar o universo” – ler essa frase te fez vivar os olhos, respirar fundo e pensar “isso de novo?”. Que bom, eu também. Legends of Eisenwald, lançado no Steam, está aí para acabar com um pouco dessa mesmice.

Ambientado em uma parte da Alemanha medieval, a história de Legends of Eisenwald gira em torno de três personagens, seus desejos por poder e o que isso resulta no mundo. Ao contrário de outros games medievais, magias, seres fantásticos e outras criaturas são raras ou inexistentes. Ainda existem algumas dessas e a “magia” envolvida vem de curandeiros ou padres.

Ele tenta desenvolver uma trama onde o “certo” e o “errado” são apenas uma questão de ponto de vista, mas deixa a desejar. Os personagens não me cativaram, as falas são desinteressantes e as escolhas que fazia pareciam ser lineares demais. Nas quests secundárias, sentia um pouco de liberdade de optar por A ou B; já na principal as minhas escolhas pareciam não importar tanto quanto eu gostaria.

O jogo é dividido em duas partes, o mapa central – onde você recebe quests, recruta personagens e compra equipamentos – e as batalhas táticas. Bem similar a Heroes of Might & Magic, você clica em um ponto e movimenta o herói até lá. Legends of Eisenwald possui um sistema de dia e noite, mas não pareceu ter impacto sobre a história.

Legends of Eisenwald

Ao navegar pelo mapa você encontrará outros personagens, alguns amigáveis e outros hostis. Isso é, se você conseguir decifrar a interface. Não é tão complexa quanto um jogo de estratégia, mas poderia receber um polimento melhor. Comprar itens, gerenciar o exército é mais trabalhoso do que deveria. Quer comprar um cavalo? Ok, clique nele e depois vá na aba do inventário onde ele está arraste para o personagem desejado e dentro dele equipe o cavalo. Cliques demais para algo simples

Eu gosto de gerenciar personagens, equipá-los, ver que obtive itens melhores em uma batalha e agora terei mais poder para vencer meu adversário. Legends of Eisenwald faz isso uma tarefa tão desnecessariamente complicada que me desmotivava a sequer entrar em uma feirinha para comprar uma espada nova. De todos os pontos medianos, Legends of Eisenwald acerta em cheio em uma coisa. O combate.

A batalha se desenrola em uma área pequena, para não dizer minúscula. Nada de posicionar tropas para batalha, esperar para que o inimigo venha até você. Cada decisão que você tomar irá afetar de uma forma ou outra sua infantaria. As batalhas duram minutos, não são entediantes, mas te deixam tenso a todo momento.

A curva de aprendizado delas é relativamente alta. Você tem de saber quando e como atacar o inimigo para não sofrer uma grande perda. Acredite, você vai perder soldados, você vai tomar dano, é inevitável. Não existem pontos de movimentação, não há como clicar em um hexágono, fazer com que o soldado se movimente até ali e esperar o próximo turno para atacar o inimigo. Você tem de mover com a certeza de que irá causar dano considerável ao inimigo e ele pode fazer o mesmo a você.

É uma pena que não existe tanta documentação para explicar alguns nuances desse sistema. O tutorial faz um trabalho competente de explicar, mas a inclusão de uma enciclopédia – assim como existe em Age of Wonders III – seria ótima. Pelas animações serem rápidas demais, muitas vezes fiquei confuso com o que acontecia na tela. Eu movia o personagem e segundos depois tomava dois golpes. De quem era o próximo turno, como isso aconteceu, eu não tinha a menor ideia.

Legends of Eisenwald

Esteticamente Legends of Eisenwald ganha pontos no detalhe das unidades e equipamentos medievais. Com um toque mais realista, a diferença entre os “ranks” era notável e as animações de ataque razoáveis. O mapa onde a história se desenrola não chega a ser belíssimo, mas detalhado o suficiente para o realismo que almeja.

Uma pena que no lançamento o jogo saiu com tantos bugs. De cenas que apareciam em russo ao invés do inglês, a batalhas que faziam meu computador reiniciar toda vez que apertava em atacar. A desenvolvedora desde o lançamento já lançou duas patches. Minha esperança é que ajeitem tudo para que possa desfrutar dele sem salvar a cada cinco minutos com o receio de travar.

Legends of Eisenwald merece ser apreciado pelo seu combate e visão mais “realista” de uma Europa medieval. Tem uma curva de aprendizado que poderia ser amenizada com uma documentação melhor, assim como os bugs poderiam aparecer em menor quantidade. Em um mercado que muitas vezes considero saturado, Eisenwald é muito bem-vindo.

A análise foi feita com base em uma cópia enviada pela Aterdux Entertainment

Análise – Legends of Eisenwald

About The Author
- Ex-colaborador da EGW e redator para o BABOO. Tento constantemente entender sistemas e relacioná-los às emoções e reações que sentimos nos jogos.